Cuidar da Profissão -

Cuidar da Profissão
 

Sem Democracia e Igualdade,

Nenhuma PAZ é possível!


proposta
18/07/2013 - 06h06 - Atualizado em 18/07/2013 - 06h12
Chapa Cuidar da Profissão - Brasil(SP)
TAMANHO DA FONTE A- A+
  Curtir  
Avaliação Psicológica no Contexto do Trânsito

A Psicologia, ao longo de mais de 50 anos da profissão no Brasil, tem formado profissionais aptos para trabalharem com a avaliação psicológica em diversos contextos sociais. No âmbito do trânsito, a avaliação psicológica de motoristas é uma prática antiga em nossa história, que data antes mesmo do reconhecimento da Psicologia como profissão.


Nós, do PRÁ CUIDAR DA PROFISSÃO, defendemos que a avaliação psicológica de condutor(as)es, seja para a obtenção da CNH, seja para avaliação dos profissionais do trânsito, seja realizada por psicólogas(os) qualificadas(os) e atualizadas(os) permanentemente. Essa qualificação e atualização envolve o atendimento às normas do Contran, de um lado, e às normas e resoluções do Conselho Federal de Psicologia, principalmente o Código de Ética Profissional, de outro.

A avaliação psicológica deve ser um processo técnico e científico que promove, além da coleta de dados a partir de instrumentos atualizados, interpretação sobre os fenômenos pesquisados. Para isso, além dos testes psicológicos, é preciso contemplar a realização de estratégias como entrevistas em profundidade, dinâmicas de grupos, outros métodos e técnicas que possibilitem uma avaliação psicológica completa. A utilização e definição dos instrumentos de avaliação devem considerar testes psicológicos vigentes, aprovados pelo Conselho Federal de Psicologia, e também a realidade social. O Cuidar apoia a autonomia do profissional na escolha das técnicas e métodos mais adequados para a investigação das capacidades sensório-motoras, de personalidade e afetivo-emocionais dos sujeitos “em trânsito”.

O CUIDAR preza, ainda, pela manutenção e ampliação de um instrumental teórico e prático subsidiário a essa atividade, condizente com a realidade latino-americana, mais especificamente com a realidade brasileira. Preza também pelo rigor e pela lisura em relação aos parâmetros técnicos e éticos previstos para a realização dessa avaliação. Isso significa defender todas as medidas para que os interesses privados, econômicos e de mercado envolvidos nos processos de obtenção do CNH não permitam o comprometimento da fidedignidade dos instrumentos de avaliação, a qualidade técnica do serviço prestado e o rigor ético na relação com usuário e outros profissionais.

Qualidade de formação para realização dessa atividade é outra direção que defendemos. Acreditamos que não basta o conhecimento superficial de alguns testes psicológicos durante a graduação para poder dominar o seu manejo, seus resultados e indicações para avaliação com fins à obtenção de CNH. O risco de uma avaliação psicológica equivocada, opressora das diversas formas de subjetividade se tornaria, assim, presente, o que é inconcebível.

Por fim, afirmamos que a avaliação psicológica para o trânsito, ou de motoristas, deve vislumbrar em todos os aspectos os direitos humanos do usuário do trânsito, considerando a diversidade cultural e o contexto de desigualdades sociais que estamos inseridos.

A Psicologia deve CUIDAR disso!

 



Curtir





    Assunto(s) Relacionado(s)

01/08/2013 - Processos de Gestão
01/08/2013 - Aval. Psicológica - Satepsi
30/07/2013 - Democracia e Participação - o CNP
30/07/2013 - Política Financeira
30/07/2013 - Referências para Atuação
21/07/2013 - Processos Formativos
18/07/2013 - Democratização da Comunicação
18/07/2013 - Regionalização e Ampliação da Participação
18/07/2013 - Contexto Clínico - Aval. Psicológica
18/07/2013 - Avaliação Psicológica
18/07/2013 - Avaliação Psicológica no Contexto do Trânsito
 

Criação - Desenvolvimento - Hospedagem - Atitude1.com.br